Seu IP: Desconhecido · Seu status: ProtegidoDesprotegidoDesconhecido

Cyberbullying: o que é, tipos de cyberbullying, exemplos e como combatê-lo

Na era digital, o cyberbullying é um dos temas mais importantes nas discussões sociais contemporâneas. Aqui, nós vamos explicar melhor o que é bullying e o que é cyberbullying, os tipos e casos e o cenário do cyberbullying no Brasil.

Ugnė Zieniūtė

Ugnė Zieniūtė

Cyberbullying: o que é, tipos de cyberbullying, exemplos e como combatê-lo

O que é cyberbullying?

Cyberbullying é uma modalidade de bullying (um termo do inglês que pode ser traduzido como “assédio”) que consiste na perseguição, intimidação, exposição, hostilidade, ataque e humilhação de uma pessoa – e que geralmente também inclui ações difamatórias e caluniosas.

De origem inglesa, cyberbullying é um termo criado através de outras duas palavras: cyber (de cibernético) e bullying (que pode significar assédio, intimidação, e até agressão, incluindo agressão física).

Dá para resumir o cyberbullying como a prática do bullying nos ambientes digitais. Redes sociais, apps de mensagens instantâneas, jogos online multiplayer, aplicativos de paquera, fóruns e até mesmo seções de comentários de portais de notícias servem como meios para que pessoas com intenções negativas pratiquem o cyberbullying – e essas pessoas são chamadas de cyberbullies (‘’valentões da internet’’).

Em vários casos, o cyberbullying também envolve diversos tipos de ataque cibernético, através dos quais os cyberbullies atacam o dispositivo da vítima com o objetivo de facilitar e intensificar as agressões virtuais (como pela descoberta do endereço de IP da vítima, por exemplo).

Tipos de cyberbullying

A prática de cyberbullying também pode ser dividida em tipos diferentes. Todos possuem a mesma característica, que é a de agredir, perseguir, intimidar, ameaçar humilhar, expor e constranger uma pessoa (ou mais) através de meios virtuais, mas se desdobram de formas diferentes.

É importante saber mais sobre as diferentes categorias de cyberbullying e estas são as principais:

Sexting

O sexting é uma modalidade de cyberbullying onde os cyberbullies enviam mensagens, fazem publicações ou divulgam material com conteúdo sexual para atingir a vítima. Estas mensagens também podem incluir fotos íntimas (muito conhecidas como nudes) da vítima e, em muitos casos, são usadas como chantagem contra as pessoas afetadas pela prática para que os criminosos obtenham certas vantagens (uma ação conhecida como sextortion ou ‘’extorsão sexual’’).

Swatting

No swatting (que tem este nome por conta da SWAT, uma força policial especial dos EUA), o cyberbullying tem como objetivo fazer uma denúncia falsa contra a vítima, fazendo com que forças policiais se desloquem para o local da vítima, colocando-a em perigo e prejudicando a integridade e a imagem da mesma.

Revenge porn

O revenge porn (ou “pornô de vingança”) pode ser uma extensão do sexting ou da sextortion. Em geral, uma pessoa divulga imagens, áudios ou vídeos eróticos íntimos da vítima sem o consentimento dela com o objetivo de expor e atingir a pessoa. Em geral, isto é feito por pessoas próximas, como um(a) ex-namorado(a), noivo(a), marido(a) e amigo(a), mas pode ser feito por qualquer pessoa que receba um material íntimo da vítima.

No Brasil, o revenge porn é crime de acordo com a lei 13.718/18. A exposição da intimidade das vítimas pode gerar uma série de problemas sociais, profissionais, econômicos e psicológicos.

Online hating

É a ação dos haters (“pessoas que odeiam”) que agem online contra as vítimas. São indivíduos que agem com ódio contra uma ou mais pessoas, usando de métodos agressivos (conversas agressivas, postagens hostis e outras ações com o objetivo de atingir a vítima) nos meios virtuais. Isto geralmente é feito em conjunto e de maneira contínua e consistente.

As leis que abrangem o cyberbullying

Há várias práticas usadas nas diversas modalidades de cyberbullying que são tipificadas pelo Código Penal brasileiro e, na prática, fazem com que, no Brasil, o cyberbullying possa se encaixar em diversos crimes:

  • Calúnia: é uma modalidade de cyberbullying que consiste em praticar o crime de calúnia (tipificado no artigo 138 do código penal brasileiro), afirmando falsamente que a vítima praticou algum ato criminoso.
  • Difamação: aqui, o cyberbullying usa de difamação (um crime tipificado no artigo 139 do código penal), ou seja, atribuir algo que atinja negativamente a reputação da vítima, sem que haja qualquer preocupação com a veracidade da informação.
  • Ameaça: nela, o cyberbullying inclui o ato de fazer ameaças contra a vítima, colocando em risco sua integridade e segurança. A ação de ameaçar alguém é considerada como crime pelo artigo 147 do código penal.
  • Constrangimento ilegal: no constrangimento ilegal, as pessoas que praticam cyberbullying forçam a vítima a fazer algo ilegal por meio de constrangimento, ameaça, chantagem ou outros meios. A prática de constrangimento ilegal é criminosa e é definida no artigo 146.
  • Injúria: é a prática de cyberbullying para ofender e prejudicar a dignidade de alguém, atingindo a honra da mesma, principalmente por meio de ofensas, xingamentos e hostilidade postada/publicada online contra a vítima, também inclusa no artigo 140.
  • Identidade falsa: nesta modalidade, o cyberbullying emprega o uso de atribuir uma identidade falsa contra alguém com o objetivo de causar danos à vítima ou conseguir vantagens indevidas para os criminosos. Os artigos 307 e 308 do código penal abrangem essa prática.

Consequências do cyberbullying

O cyberbullying gera efeitos extremamente negativos nos indivíduos são atingidos por estas práticas – e também para a sociedade como um todo.

As práticas de bullying e cyberbullying geram aumento de depressão, ansiedade, fobia social, distúrbios alimentares (como anorexia, bulimia e outras distorções de imagem) e também se desdobram em violência física que pode ser cometida tanto por parte de quem pratica o cyberbullying quanto por quem sofre como vítima dele.

No ambiente escolar, o cyberbullying promove segregação, perseguição e hostilidade, e em geral também se associa a formas físicas de violência, prejudicando o desempenho escolar e a integração das crianças, adolescentes e jovens na sociedade como um todo.

Nos ambientes empresariais, ele prejudica o desempenho profissional e gera uma série de problemas para o exercício das atividades e, acima disto, para a saúde mental e física dos alvos do cyberbullying.

A sociedade, como um todo, enfrenta consequências bastante graves ocasionadas pelo cyberbullying, que promove a ruptura do tecido social, o adoecimento dos indivíduos, o aumento da violência e ações que podem reforçar grupos extremistas e de ódio.

Exemplos e casos de cyberbullying

Há uma quantidade imensa de ataques virtuais acontecendo todos os dias, o tempo todo ao redor do mundo. Alguns exemplos significativos podem ser usados para ilustrar o quanto a prática de cyberbullying é prejudicial às pessoas e à sociedade.

  • Em 2006, Megan Taylor Meier (de apenas 13 anos) cometeu suicídio depois de receber um comentário do namorado virtual dizendo que o mundo seria um lugar melhor sem ela. O suposto namorado era um perfil falso criado por vizinhos hostis à família de Megan com o objetivo de atacá-la tirando proveito da instabilidade emocional dela.
  • No Brasil, Júlia Rebeca, de apenas 17 anos, também tirou a própria vida em 2013 depois que um vídeo íntimo dela foi compartilhado em redes sociais. A família dela só teve conhecimento da exposição do vídeo íntimo depois que a vítima cometeu suicídio depois de postar mensagens de despedida em uma rede social.
  • Outro caso brasileiro foi o de Nissim Ourfali que, em 2012, sofreu uma série de ataques antissemitas e mensagens de ódio quando o vídeo da comemoração de Bar Mitzvá do jovem viralizou na internet.
  • Um dos casos mais trágicos é o de Amanda Todd, uma canadense de 15 anos de idade que tirou a própria vida em 2012 depois de ter fotos íntimas expostas na internet.

Cyberbullying no Brasil

No Brasil, o cyberbullying é um problema social extremamente grave e preocupante. De acordo com dados publicados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) referentes a 2020, 23% de todos os estudantes do país já foram vítimas de bullying e cyberbullying nas escolas.

Entre as motivações do cyberbullying, há o destaque para aspectos do corpo (16.5%), etnia (4.6%) e aspectos faciais (11.6%). A edição de 2020 da pesquisa Global Web Index apontou o Brasil como o segundo país com maior índice de cyberbullying no mundo, atrás apenas da Índia e seguido pelos Estados Unidos.

Dados da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE) de 2019 apontam que um a cada dez adolescentes no Brasil já passaram por ofensa, humilhação, ameaça e outras formas de cyberbullying em ambientes virtuais (como aplicativos e redes sociais). Isto corresponde a 13.2% dos adolescentes do país. Entre as meninas o índice é ainda mais significativo: 16.2% (contra 10.2% dos meninos).

As práticas de cyberbullying no Brasil estão associadas a formas históricas de preconceito e discriminação e o combate à prática precisa incluir uma transformação de conscientização sobre estes modelos estruturais de preconceito.

Como evitar e combater o cyberbullying

Os debates sobre o cyberbullying precisam ser tratados de forma aberta e ampla, sem tabus, através de discussões e campanhas informativas.

Os governos devem criar legislações e realizar campanhas de conscientização sobre os danos do cyberbullying (e os riscos das redes sociais em geral), mas esta também é uma tarefa da sociedade como um todo e inclui instituições como escolas (que possuem um papel importantíssimo na formação das novas gerações e nas mudanças culturais), empresas, famílias e demais ambientes.

Uma ação essencial é comunicar o cyberbullying às autoridades competentes. Afinal, ele é um crime. As vítimas precisam receber apoio, inclusive através do registro de boletim de ocorrência com o máximo de informações possíveis sobre o que aconteceu. Os agressores (e os responsáveis, caso sejam menores de idade) precisam ser identificados e devidamente punidos.

É essencial ter atenção e cuidado em relação aos perigos das redes sociais para que ambientes mais seguros possam ser criados. Aprender mais sobre estas plataformas e exigir políticas mais efetivas de combate ao cyberbullying (e outras práticas prejudiciais) por parte das empresas é muito importante para combater e evitar estas práticas.

Em relação ao ambiente familiar, os pais precisam ter total atenção à segurança para as crianças na internet. Afinal, elas são mais vulneráveis e suscetíveis à violência no meio virtual da mesma forma que também são vulneráveis a outras formas de abuso.


Ugnė Zieniūtė
Ugnė Zieniūtė Ugnė Zieniūtė
Ugnė Zieniūtė é gerente de conteúdo na NordVPN e adora pesquisar as últimas tendências de segurança cibernética. Por acreditar que todos devem cuidar de sua segurança online, ela deseja compartilhar informações valiosas com os leitores.