O seu IP: Desconhecido · O seu estado: ProtegidoDesprotegidoDesconhecido

MPLS: o que é?

A tecnologia Multiprotocol Label Switching (MPLS) é habitualmente usada por empresas para ligar escritórios, postos ou outros pontos geograficamente distantes entre si, remotamente. Também os ISP (Internet Service Providers, ou Fornecedores de Serviços de Internet) usam MPLS para executarem procedimentos de segmentação de tráfego, concorrendo para uma otimização global do serviço. É uma técnica estável e bem conhecida, sendo utilizada há mais de 20 anos. Afinal o que é a MPLPS? Será que ainda é confiável?

Agnė Augustėnė Agnė Augustėnė

Agnė Augustėnė

MPLS: o que é?

Como funciona a tecnologia Multiprotocol Label Switching?

Vejamos, primeiramente, como funciona o routing “normal” ou regular. Quando visitamos um website, através de um browser, há vários processos a acontecer longe da vista. O pedido (request) é dividido em pequenas partes, chamadas “packets”. Cada packet contém informação sobre a sua origem e o seu destino. Os routers enviam os packets para outros routers, sendo esta a forma de os packets se movimentarem ao longo da rede. Ainda que dois packets tenham o mesmo destino, eles podem assumir diferentes rotas – tal como um automobilista que saia de Lisboa para o Porto pode ir pela autoestrada A1 ou pelo eixo A8/A17/A29.

Como funciona o MPLS? Este sistema coloca etiquetas em cada packet, que determinam como deve cada packet viajar. Cria-se assim uma rede privada. Como os packets recebem a etiqueta entre a transição da layer 2 (responsável por transferir dados entre nós) e a layer 3 (responsável pelo encaminhamento e direcionamento de packets), as redes MPLs são geralmente designadas como um “protocolo layer 2,5”. De resto, na expressão “Multiprotocol Label Switching” o significado de protocolo – aliás, “multiprotocolo” – refere-se à capacidade da tecnologia processar packets de vários protocolos de rede.

O Multiprotocol Label Switching é um mecanismo em redes de telecomunicações de alto desempenho que direciona dados de um nó da rede para o próximo nó, baseado em rótulos de menor caminho em vez de endereços de rede longos, evitando consultas complexas numa tabela de roteamento.

As primeiras ideias para reencaminhamento de tráfego incorporando estes princípios foram apresentadas pela Toshiba em 1994. Seguiram-se contribuições de outros grandes “players” tecnológicos, como a Cisco ou a IBM, até que os primeiros “deployments” MPLS se deram em 1999. A tecnologia não deixou de ser aperfeiçoada, embora a unicidade dos seus princípios se tenha mantido relativamente inalterada.

MPLS: prós e contras

Prós

  • pros
    Velocidade. Como os packets viajam de forma predeterminada nas redes MPLS, os routers não precisam de verificar o IP de origem em cada reencaminhamento. Isto significa que o processo de routing exige menos recursos de computação, comparado com o routing “normal”. O MPLS traz benefícios quando a velocidade é um fator importante. É o que sucede quando se executam aplicações em tempo real.
  • pros
    Qualidade. A tecnologia MPLS tem opções QoS (Qualidade de Serviço) que ajudam os packets a conseguir uma melhor performance e eficiência ao viajarem ao longo da rede.
  • pros
    Ligações remotas. Como o MPLS é alojado na nuvem, é possível acrescentar novas conexões e links MPLS sem que seja necessário investir em hardware extra.
  • pros
    Congestão de rede minimizada. O MPLS separa os pedidos web em diferentes rotas, contribuindo para menores congestionamentos de rede – tal como uma app ajudaria o tráfego rodoviário de uma estrada congestionada a seguir por caminhos alternativos.
  • pros
    Uptime melhorado. Se ocorrer um downtime, o MPLS procura um caminho alternativo e redireciona para lá o tráfego.

Contras

  • cons
    Experiência do utilizador. O MPLS exige configuração detalhada no router. Montar uma rede MPLS só é viável, e aconselhável, para quem souber exatamente o que está a fazer. Caso contrário, é melhor que a tarefa seja delegada a um administrador de redes.
  • cons
    Custo. As soluções MPLS não são propriamente baratas, pois será necessário pagar mensalmente pelo tráfego de dados. Os ISPs podem encarregar-se da montagem e manutenção de toda a infra-estrutura MPLS, mas tal irá necessariamente encarecer a solução.
  • cons
    Menor controlo. Sendo o ISP a configurar a rede para a empresa, esta não terá controlo pessoal ou direto sobre a mesma.
  • cons
    Acessibilidade. Ao contrário do que se poderia pensar, o MPLS não é adequada para soluções SaaS (Software as a Service) ou aplicações cloud. A sua vocação são as soluções de conectividade point-to-point.
  • cons
    Implementação potencialmente demorada. Se os escritórios da sua empresa ou organização estiverem situados em diferentes países, a conclusão e lançamento de uma rede MPLS podem demorar vários meses.

Qual é a diferença entre SD-WAN e MPLS?

A expressão “software-defined wide-area networking” (SD-WAN) traduz-se, de forma genérica, por “redes de área alargada e definidas por software”. Trata-se de um conceito mais avançado que o MPLS. A tecnologia SD-WAN é mais segura, mais barata e oferece melhores performances. Tanto o MPLS como o SD-WAN são usados para conectividade em rede; os utilizadores que trabalham em escritórios remotos ou a partir das suas casas, em teletrabalho, correspondem ao perfil típico de uso.

Alguns especialistas em Tecnologias de Informação afiançam que o SD-WAN será a tecnologia do futuro que irá substituir o MPLS. Todavia, não se trata de tecnologias exatamente iguais. Ainda existem circunstâncias específicas em que cada uma tem o seu lugar. Apesar da sua aparente vetustez, o MPLS deverá permanecer connosco mais alguns anos.

MPLS vs. VPN

Embora as pesquisas em motores de busca por MPLS vs. VPN sejam habituais, trata-se de comparar alhos e bugalhos. Trata-se de tecnologias diferentes com propósitos diferentes. O MPLS é uma tecnologia de rede, enquanto uma VPN é um instrumento concebido para encriptar o seu tráfego e esconder o seu endereço de IP dos olhares de terceiros.

É possível usar tanto uma MPLS para ligar diferentes escritórios ou secções da sua organização e uma VPN protocolo para proteger os seus colaboradores online. Como a MPLS não usa tecnologias de encriptação nem confere privacidade aos dados enviados e recebidos, vale a pena considerar soluções VPN para garantir a proteção das suas comunicações.

A segurança online começa com um clique.

Fique em segurança com a principal VPN do mundo


Agnė Augustėnė
Agnė Augustėnė Agnė Augustėnė
success Autor verificado
Agnė Augustėnė é uma gestora de conteúdos, apaixonada por segurança cibernética. Entende os benefícios da tecnologia e as ameaças que todos enfrentamos online; através do seu trabalho está a construir uma internet mais segura e privada.