O seu IP: Desconhecido · O seu estado: ProtegidoDesprotegidoDesconhecido
Blog Em detalhe

Classes de endereços IP: tudo o que precisa saber

Sabia que o seu computador e smartphone têm um IP? Sabe a diferença entre IPs públicos e privados, ou entre IPs dinâmicos e estáticos? Veja as respostas, em seguida.

Laura Klusaite

Laura Klusaite

Sep 01, 2020 · Leitura de 4 min

Classes de endereços IP: tudo o que precisa saber

O que é um endereço IP?

IP significa “Internet Protocol”. O “protocolo de internet” é um código numérico que identifica um dispositivo ligado à internet, tal como cada telefone é identificado por um número de telefone – e como cada endereço de e-mail é identificado por uma combinação única de nomedeutilizador@nomedoserviçodeemail.tld (TLD para “top-level domain”). Sempre que faz uma pesquisa no Google, por exemplo, o seu computador envia um pedido para os servidores da Google; a resposta é enviada para o seu computador porque os servidores da Google podem, através do IP da sua máquina, responder de volta.

O conceito é simples, mas a história da tecnologia já obrigou a diversas alterações e evoluções, o que faz com que existam diversos conceitos e tipos de IP. Vejamos em seguida no que consistem os diversos termos técnicos, e porque são bem mais simples do que parecem.

Classes de endereços IP

IP público vs IP privado

Cada aparelho conectado à internet (computador, smartphone, router, eletrodomésticos parte de uma rede no âmbito do conceito de “Internet das Coisas”, etc.) apresenta um IP público e outro privado. Na década de 80, o protocolo IPv4 (Internet Protocol, versão 4) previu códigos numéricos de 32-Bit passíveis de atribuir um código único a 4,3 mil milhões de aparelhos. Contudo, em breve se percebeu que o sistema se iria esgotar. Foi então criado o sistema de IP privado e de NAT (Network Address Translation).

O NAT funciona como uma central telefónica de uma empresa ou organização com vários telefones, cada um com a sua extensão. Quem quiser contactar um desses telefones contacta o “IP público”, isto é, o número de telefone comum a todos. Depois, deverá pedir o número específico da extensão para onde querer falar (equivalente ao IP privado). O número da extensão pode ser igual ao de outros telefones existentes na rede (fora da organização), mas isso não importa porque o tráfego é encaminhado sempre através do número de telefone externo, que é único e irrepetível.

Atualmente, e para todos os efeitos, o protocolo IPv4 já se encontra esgotado, apesar das medidas de mitigação (reutilização de IPs não utilizados, etc.) que se vão adotando. Em meados dos anos 90, previu-se a sua substituição, a longo prazo, pelo futuro IPv6. A adoção deste protocolo mais recente iniciou-se em meados da década de 2000 e tem vindo a acelerar desde então.

IP estático vs IP dinâmico

Os IPs públicos podem ser dinâmicos ou estáticos.

Os IPs dinâmicos são os mais habituais, sendo os que normalmente são atribuídos aos nossos computadores domésticos e telemóveis. Tal como o nome indica, podem mudar ao longo do tempo. Sendo atribuído pelo nosso fornecedor de serviços de internet, poderão ser alterados, por exemplo, quando houver uma mudança nas configurações da sua rede, se um novo dispositivo for acrescentado à rede ou simplesmente quando reiniciar o computador. Uma mudança de IP raramente interfere na qualidade da ligação.

Já os endereços de IP estáticos, como o nome indica, nunca se alteram. Geralmente são atribuídos a grandes empresas ou organizações que precisam de ligações muito estáveis, ou a servidores que prestam serviços de alojamento de websites. Mudanças frequentes de IP poderiam fazer com que uma parte dos visitantes sentisse lentidão no acesso a um site alojado nesse servidor, por exemplo. Alguns “gamers” também investem em IPs estáticos para garantir estabilidade absoluta das conexões durante as suas sessões de videojogos online.

Os fornecedores de serviços de internet cobram, geralmente, uma taxa extra pelo fornecimento de endereços de IP estáticos. Além disso, estes endereços são mais vulneráveis, quer em face de ataques de “força bruta” (DDOS), quer em termos de monitorização de atividade por terceiros. Daí que, em geral, só empresas e organizações invistam em IPs estáticos e nas correspondentes medidas de segurança online.

O que é um endereço IP dedicado?

Em teoria, a um único servidor corresponde um único IP. Se for o caso, esse IP poderá ser estático, com os benefícios e riscos que verificámos acima. Caso existam vários websites alojado nesse servidor, todos eles partilharão o mesmo IP estático. Contudo, isto pode dar origem a erros ou instabilidades na navegação, tanto maiores quanto maior for o tráfego que o site receba.

A solução passa pela atribuição de um endereço de IP estático e único a um website específico alojado nesse servidor. Tem o nome de IP dedicado e pode ser fornecido por quem já presta o serviço de alojamento. A NordVPN também pode oferecer esta possibilidade a quem subscrever um serviço de VPN. Cada vez mais particulares optam por aderir a um IP dedicado, porque funciona quase como uma espécie de “chave móvel digital” para navegar pela internet:

  • Facilita o controlo da reputação online.
  • Permite ao utilizador entrar em contacto com servidores remotos através de “whitelists.”
  • Confere um grau de segurança adicional nos acessos ao homebanking.
  • Permitirá aos websites deixarem de lhe solicitar as aborrecidas verificações “captcha”.

Que IP me é atribuído quando uso uma VPN?

Alguns utilizadores de internet ainda desconhecem o que é uma VPN (“Virtual Private Network”). Trata-se de um serviço online que garante a privacidade da sua atividade, através da encriptação dos dados e outras ferramentas, colocando-o, por exemplo, ao abrigo de hackers.

Embora não seja, claramente, o único, um dos benefícios que as pessoas atribuem mais rapidamente ao uso de uma VPN é ocultar o endereço IP.

Geralmente, os fornecedores de serviços de VPN atribuem IPs partilhados aos seus clientes. Faz algum sentido, pois reduz a capacidade de monitorização de determinada atividade por terceiros, associada a um certo IP. Todavia, também há inconvenientes. Por exemplo, se um utilizador do mesmo IP for “barrado” (blacklisted) em determinado site ou plataforma, o leitor deixará de conseguir aceder-lhe também.