Your IP: Unknown · Your Status: Unprotected Protected

Blog In Depth

Como remover malware: o guia definitivo

Feb 25, 2019 · 18 min read

Como remover malware: o guia definitivo

Finalmente aconteceu. Você baixou um arquivo de um email confiável que travou seu computador, ou seu celular começou a ficar lento depois de ter se conectado a um wi-fi público porque “uma vez não vai fazer mal, ou vai”? Agora que seu dispositivo foi infectado por malware, como você se livra do problema?

O que é malware?

Malware é qualquer software mal-intencionado desenvolvido para infiltrar um sistema e ir contra os interesses de seu proprietário. Isso inclui de tudo, desde danificar o sistema e paralisá-lo a fim de roubar dados e largura de banda até o monitoramento das atividades do usuário.

Os vírus são um dos muitos tipos de malware contra os quais você deve se proteger. Essa é uma breve visão geral dos diferentes tipos aos quais você deve ficar atento:

Adware

O adware é um tipo de malware relativamente inofensivo que está mais preocupado em ganhar dinheiro do que danificar seu computador. Esse software agressivo apoiado por publicidade exibe banners publicitários em janelas de sites e aplicativos.

Ele se espalha principalmente através de downloads automáticos que são disparados quando visitamos certos sites. Ele também pode vir agregado a uma versão gratuita de um aplicativo ou software que instala o adware sem você saber. Os sintomas incluem uso da CPU aumentado e banners irritantes que aparecem não só online, mas também quando você utiliza programas.

Spyware

O spyware foi feito para (surpresa!) espiá-lo. Esse malware se esconde em segundo plano e monitora o uso de internet e histórico de navegação do seu computador. Ele pode coletar senhas, detalhes bancários e emails, e pode até realizar keylogging ou alterar as suas configurações de segurança. Todas as informações coletadas são enviadas a um usuário remoto, que também é capaz de baixar e instalar outras aplicações maliciosas sem a sua permissão.

Vírus

Assim como um vírus biológico, um vírus de computador é um tipo de malware que se espalha de hospedeiro em hospedeiro ao se reproduzir. Anexado a arquivos e programas, ele pode se alastrar através de downloads na internet, emails, mídias sociais ou mensagens de texto. No entanto, um vírus não pode infectar um computador anonimamente, pois precisa que um usuário execute o programa ao qual está anexado. O dano infligido por vírus varia de pequenos aborrecimentos, como alterações no seu plano de fundo, a grandes falhas do sistema e perda total dos dados.

Em comparação aos vírus, os worms podem parecer bastante inocentes já que não causam qualquer dano ao sistema. O objetivo de um worm é replicar a si mesmo e se espalhar através de um disco local ou rede.

Os worms também podem vir com “payloads” instalados para danificar um sistema ou extrair informações, mas esse nem sempre é o caso. O primeiro worm, chamado Creeper, apenas notificava os usuários infectados da sua presença. Outros worms, ainda que não necessariamente prejudiciais, causam falhas de sistema em milhares de computadores puramente em decorrência do volume de tráfego gerado por sua replicação.

Cavalo de Troia (Trojan)

O cavalo de troia recebeu esse nome em homenagem à lenda grega. Os cavalos de troia se infiltram nos computadores ao se esconder em programas aparentemente inocentes, como vários aplicativos, jogos, ou até mesmo arquivos de vídeo ou música. A partir do momento em que entram, eles podem criar aberturas para que os hackers invadam o seu sistema e coletem seus dados, ou até mesmo bloquear seu computador completamente.

Ransomware

O ransomware é uma das ciberameaças mais sérias de que se tem conhecimento dada a sua capacidade de se espalhar rapidamente e causar danos significativos. O ramsonware foi desenvolvido para gerar lucro e, uma vez que tenha infectado uma máquina através de uma vulnerabilidade de sistema, ele irá criptografar todos os dados, excluindo o usuário. Depois, ele exige da vítima o pagamento de um resgate (ransom, em inglês) para decriptar os arquivos.

Como saber se você está com malware

O primeiro passo ao reagir a um ataque é reconhecer seus efeitos. Infelizmente, isso pode ser uma tarefa difícil considerando-se que alguns tipos de malware são projetados para trabalhar de forma imperceptível, ou pelo menos até que causem estrago.

Seu dispositivo está lento: Um sintoma comum do malware é uma lentidão mais acentuada do que o habitual em seu computador ou smartphone. No entanto, há outros motivos que podem causar esse problema, então será necessário seguir um processo de eliminação para entender por que o aparelho está demorando para processar suas solicitações. Se você não está executando muitos apps ou programas e nem está sobrecarregado com muitos arquivos, é possível que seu dispositivo esteja comprometido.

Sua conexão com a internet está arrastada: Muitos tipos de malware podem confiscar sua largura de banda para interesse próprio. Alguns usam seu dispositivo para lançar ataques DDoS, enquanto outros o usam como plataforma de replicação para infectar mais usuários e coletar dados pessoais. No entanto, assim como a velocidade da CPU, há várias outras questões que podem ser a causa desse sintoma. Depois de descartar a possibilidade de uma conexão com a internet ruim, downloads em plano de fundo e qualquer outra coisa que possa absorver sua largura de banda, verifique sua velocidade novamente. Caso ela ainda esteja lenta, você deverá investigar mais.

Outra faceta desse problema específico aos smartphones (ou a computadores com internet sem fio via USB) é a utilização de dados não explicável. Se você não é um usuário de dados extremo e inesperadamente começou a ultrapassar seus limites de banda, mesmo que seus hábitos não tenham mudado, é hora de investigar. Na melhor das hipóteses, uma nova configuração de algum aplicativo da sua confiança passou a usar seus dados para se comunicar com uma base de dados em nuvem. Isso pode acontecer se você configurar um aplicativo para atualização ou sincronização automática de fotos e vídeos com um disco em nuvem. No entanto, pode também ser uma indicação de que o malware está enviando seus dados a alguém sem o seu consentimento.

Pop-ups ou notificações suspeitas: Se você navega sem usar um bloqueador de pop-up (o que você não deveria fazer), não será uma surpresa encontrar um pop-up desagradável em algum momento. Mas se passou a encontrá-los enquanto trabalha offline, então você está em apuros. É possível que você tenha baixado apenas um software que utiliza táticas desonestas e invasivas para tirar seu dinheiro. No entanto, pop-ups inesperados podem ser um sinal de que seu computador está infectado com malware.

Ironicamente, esses pop-ups afirmam serem avisos de que seu computador foi infectado com um vírus, e que a única maneira de se livrar dele é comprar um antivírus falso fornecido pelo hacker. Pop-ups em sites que nunca os tiveram antes também são um indicativo de softwares nocivos (mas antes de entrar em pânico, pergunte ao admin do site se eles começaram a permitir pop-ups recentemente).

Seu dispositivo trava: Alguns tipos perigosos de malware podem obter acesso ao seu dispositivo e manipular os elementos mais básicos de seu sistema. Quando essas alterações entram em conflito com outros processos, o dispositivo pode travar (seja intencionalmente ou não). Caso o seu dispositivo comece a travar com frequência, especialmente se você baixou um novo aplicativo ou arquivo recentemente, há chances de que seu dispositivo esteja sendo atacado.

Seus amigos recebem mensagens suas que você não enviou: Outros tipos de malware se espalham roubando a sua identidade e enviando mensagens em seu nome. Se os seus amigos e a sua família começarem a responder a mensagens suspeitas que você não enviou, será um sinal claro de que seu dispositivo foi infectado. Essas mensagens podem conter arquivos que irão espalhar o ataque caso sejam abertos, ou podem solicitar aos seus amigos que transfiram dinheiro para a conta bancária dos hackers.

Apps ou programas que você não baixou: Às vezes, programas legítimos vêm acompanhados de outros apps ou softwares que você pode acabar instalando sem perceber. Nem sempre eles são um problema, mas certamente são uma ameaça em potencial. O surgimento de ícones irreconhecíveis em seu desktop ou na tela do seu celular são a primeira pista. Caso encontre um ícone que você não instalou, não o abra e apenas tente descobrir se é algo de que você realmente precisa ou se pode desinstalá-lo.

Outra possibilidade são barras de ferramenta ou extensões de navegador que você não baixou. Alguns usuários de internet mais experientes poderão se lembrar de um certo gorila chamado Bonzi Buddy que invadiu os navegadores no final dos anos 90, começo dos anos 2000…

Você não consegue acessar seus arquivos e recebe uma mensagem de resgate: A maioria dos malwares entra discretamente em seu dispositivo. O ramsonware, por outro lado, chega chutando as portas. Ele foi desenvolvido para criptografar os arquivos das vítimas, tornando-os completamente inacessíveis. Em seguida, os hackers enviam uma mensagem de resgate exigindo um pagamento para que a vítima possa acessar os arquivos. Pagando ou não, você estará totalmente à mercê dos hackers. Pode ser difícil lidar com um ataque de ransomware, mas há algumas medidas que você pode tomar para se proteger.

Seu sistema para de obedecer aos seus comandos: Com o objetivo de se autopreservarem, alguns malwares tentarão bloquear o acesso às configurações do sistema ou ferramentas que podem ajudá-lo a se livrar do problema. Pode ser o gerenciador de tarefas do Windows, o monitorador de atividade do Mac, seu scanner de segurança embutido, ou apenas o painel de controle ou as configurações de sistema normais. Caso você perceba que suas configurações foram alteradas sem a sua permissão ou seu computador esteja o impedindo de acessar certas ferramentas administrativas, considere isso um forte indício que de que seu computador está infectado.

Você é redirecionado enquanto navega: Quando navegar na internet, crie o hábito de olhar a barra de URL, especialmente quando a página estiver carregando. Se o site que você está visitando ou o computador que estiver usando estiverem infectados, o malware poderá redirecioná-lo a sites e anúncios suspeitos. Às vezes ele é capaz até de imitar o site que você está visitando para coletar as informações inseridas. Na próxima vez que entrar em uma conta confidencial (como a sua conta do Paypal, por exemplo), certifique-se de saber a URL correta. Caso a base da URL mude para algo que você não conhece, fique atento! Isso pode significar que você está sendo redirecionado para um site mal-intencionado.

Além disso, uma configuração comumente alterada pelo malware é a página inicial do seu navegador. Se notar algo estranho ao abrir o navegador, você saberá do que se trata!

Seus programas de segurança foram desativados: Eles devem estar sempre ativados (se não estão, você deveria se envergonhar!). Isso inclui os firewalls integrados, detectores de malware e outros softwares que você pode ter instalado de uma fonte confiável ou aqueles que vieram com o seu dispositivo. Se você descobrir que eles foram desativados repentinamente, será preciso descobrir o porquê.

Divergências na conta telefônica: Alguns tipos específico de malware para celulares atuam silenciosamente enviando mensagens de SMS a números particulares que cobram uma fortuna. Caso você receba uma conta telefônica atípica por ser muito alta, verifique seu histórico de ligações e de mensagens ou entre em contato com a sua operadora para saber se o seu celular foi infiltrado.

Como reagir

Então você acha que está com algum malware. E agora? Bom, isso depende do seu dispositivo. Diferentes tipos de aparelhos podem ser alvo de vários vírus e worms e contarão com uma ferramenta específica para ajudar, por isso procuramos abordar as categorias mais comuns.

Como remover malware do Android

A loja aberta de apps do Android é boa e ruim ao mesmo tempo. A mesma acessibilidade que permite aos novos desenvolvedores prosperar, facilita que hackers e fraudadores empurrem apps que farão de tudo desde roubar seus dados até esvaziar a sua conta bancária. O Google até que se esforça para filtrar sua loja de apps. Ainda assim, códigos nocivos ainda conseguem entrar com regularidade. Os aplicativos não compatíveis com a app store oficial são ainda mais perigosos.

Dada a maneira como Androids e iPhones foram projetados, ainda não se tem conhecimento de vírus para eles, pelo menos não do tipo que existe para os computadores. Em ambos os casos, os hackers e fraudadores ganham acesso primeiramente através de apps que são instalados com a autorização da vítima enganada, então comece por aí (Observação: Fazer jailbreak no seu celular pode gerar ainda mais vulnerabilidades. Faça isso por sua conta e risco!).

1. Assim que observar um sinal de que o seu Android foi infectado por malware, o primeiro passo é fácil: desligue o seu celular. Isso evitará que o aplicativo mal-intencionado cause mais danos do que já causou e lhe dará tempo para pesquisar usando outro aparelho.

2. Enquanto seu celular estiver desligado, tente descobrir tanto quanto puder. Quais foram os sintomas exatamente? Você conseguiu encontrar informações de usuários com o mesmo problema? Quando a falha começou? O início dos sintomas coincide com a instalação de um novo app? Caso seja esse o caso, pesquise o nome do app e descubra se ele é um malware.

3. A partir do momento que você tiver alguma ideia do problema, ligue seu celular em modo de segurança. As instruções para o modo de segurança variam de acordo com o dispositivo, pesquise o seu online. Na maioria dos casos, inicie normalmente o celular. Conforme a animação inicial do Google é reproduzida, aperte o botão para abaixar o volume até que ela acabe. Você deverá ver na tela uma indicação de que o seu celular está rodando em modo de segurança.

Mas o que é o modo de segurança e como ele pode ajudar? Quando o seu Android é inicializado em modo de segurança, ele permitirá a execução apenas dos seus aplicativos padrão. Você terá a oportunidade de eliminar apps maliciosos sem causar ainda mais estragos ao sistema ou à sua segurança.

4. Caso a sua atividade em modo de segurança não tenha ajudado, talvez você precise restaurar o seu celular às configurações de fábrica. Essa não é uma medida muito prática, pois será preciso reinstalar e baixar tudo o que seu celular tinha antes de ter sido infectado. No entanto, essa é uma das ferramentas mais poderosas em seu arsenal contra o malware. Para fazer uma restauração de fábrica, siga essas instruções do Google.

5. Uma vez que todos os apps tenham sido removidos, é hora de lidar com as consequências do ataque. É provável que, a essa altura, você já saiba de que forma foi comprometido. Se o app enviou mensagens aos seus amigos, avise-os que eles não devem responder àquela mensagem. Caso tenha havido comprometimento à sua conta bancária, ligue imediatamente para o seu banco a fim de receber orientações sobre como proteger a sua conta. Altere suas senhas em quaisquer sites e serviços que o app possa ter acessado. A quantidade de trabalho varia dependendo do tipo de malware contraído, portanto use o bom senso.

Como remover malware do iPhone

Os iPhones são conhecidos pelas suas poderosas medidas de segurança embutidas, mas isso pode fazer com que alguns usuários relaxem mais do que deveriam. Nenhuma fortaleza é impenetrável, e mesmo iPhones podem ser prejudicados por malware. Assim como no Android, o principal caminho para os hackers e fraudadores comprometerem um iPhone é através de aplicativos aparentemente inocentes que carregam consigo payloads maliciosos (Observação: Fazer jailbreak no seu celular pode gerar ainda mais vulnerabilidades. Faça isso por sua conta e risco!). Em decorrência do maior controle exercido pela Apple sobre a app store, os usuários têm menor probabilidade de encontrar malware, mas isso não é impossível e já aconteceu antes.

Caso você suspeite que seu iPhone foi infectado por malware, veja o que fazer:

1. Desligue o seu iPhone. Essa é a maneira mais eficaz de evitar que o malware cause mais estrago e se comunique com seu dono enquanto você procura pela solução usando outro aparelho.

2. Refaça seus passos para descobrir quando baixou o aplicativo agressor. Em que momento os problemas ou irregularidades começaram a surgir? Ele coincide com um novo app específico que você baixou?

Alguns aplicativos podem começar a causar problemas imediatamente, enquanto outros são mais sutis. Armado com a informação, você também pode pesquisar se o app é um malware conhecido e se mais alguém descobriu sobre como ele ataca as vítimas.

3. Dependendo do que você descobrir no passo 2, restaure um backup da nuvem de uma data anterior ao download do app em questão. Basta clicar aqui para ver as instruções da página de suporte da Apple.

4. Caso o seu backup não resolva o problema, é hora de usar armas pesadas. Uma restauração de fábrica pode ser muito incômoda, mas é garantia de proteger seu dispositivo, pois pouquíssimos ou nenhum malware foi capaz de sobreviver a uma restauração de fábrica. Siga as instruções da Apple para realizar a restauração para os ajustes de fábrica.

5. É provável que o malware já tenha sido eliminado a esse ponto. No entanto, é hora de iniciar o processo de recuperação. Descubra como o código malicioso comprometeu seu dispositivo e use o bom senso para se proteger. Troque suas senhas. Fale com o seu banco para saber a respeito de transações suspeitas ou os notifique que alguém pode estar com os seus dados. Verifique se alguma mensagem suspeita foi enviada em seu nome e entre em contato com as pessoas que as receberam.

O que fazer a seguir vai depender do malware contraído, mas essa é uma boa oportunidade para fazer uma checagem completa de segurança!

Como remover malware do Windows

Remover malware de um PC Windows pode ser muito fácil ou extremamente complicado dependendo da profundidade em que o sistema foi penetrado. As ameaças em potencial também são mais diversificadas, pois as máquinas Windows se tornaram tradicionalmente sacos de pancada para os hackers dada a sua ubiquidade. Aqui, o malware não está limitado aos aplicativos. Praticamente todos os tipos de vírus, worms e cavalos de troia podem infectar um sistema Windows.

Seja como for, há inúmeras ferramentas disponíveis para limpar o seu PC. Para falar sobre todas elas seria necessário um artigo a parte, mas vamos abordar as opções mais amplamente aplicadas.

1. Comece desligando o seu PC e o reiniciando em modo de segurança. Para saber como fazer isso em detalhes, verifique as instruções da Microsoft. Isso fará com que a sua máquina rode com as configurações mais básicas. Caso os sintomas do malware persistam enquanto você estiver em modo de segurança (ou no modo de segurança com rede), é provável que o código mal-intencionado tenha entrado profundamente em seu sistema. Se o problema tiver desaparecido, há melhores chances de que você consiga se livrar do malware sem precisar fazer nada drástico como uma restauração do sistema.

2. Se o problema cessou, você pode respirar com mais calma, mas ainda não terminamos. Alguns malwares podem ser facilmente removidos, bastando desinstalá-los. Portanto verifique a lista de programas em seu PC e procure por títulos suspeitos que não deveriam estar lá. Caso o problema tenha começado recentemente, um programa recém-instalado pode ter sido o culpado.

Se após a desinstalação o problema persistir, pesquise um scanner de sistema e antivírus confiáveis para rodar no seu PC. Escaneie o sistema no modo de segurança já que alguns malwares são projetados para interferir no seu scanner.

3. Uma vez que você tenha escaneado o seu computador e eliminado o malware encontrado, e mesmo assim o problema persistir, você deverá ir mais fundo. Há ferramentas avançadas para eliminar um vírus enraizado, mas uma dessas opções “nucleares” é reinstalar o Windows 10 em seu hard drive. Um malware que danifica o nível BIOS é raro, portanto esse método irá exterminar 99% das ameaças. Antes de começar, serão necessárias algumas preparações. Faça o backup de quaisquer arquivos essenciais que você tenha certeza de não estão infectados, ou os carregue para a nuvem de forma que não contaminem nenhum outro dispositivo. (Observação: backups regulares são uma ótima ideia!). Armazene em segurança as senhas e chaves de produtos que você precisará ao restaurar seu PC.

Agora que você está pronto, há duas maneiras de prosseguir. O Windows 10 permite que você reinstale a partir do menu inicial, proporcionando uma tábua rasa como se ele tivesse acabado de sair da fábrica. Para fazer isso, vá ao menu de configurações (a partir do menu inicial), abra a ferramenta de atualizações e segurança e selecione “Recuperação”. Você verá algumas opções disponíveis, mas sugerimos que você use a alternativa “Restaurar o PC”. Será solicitado que você opte entre excluir ou manter seus arquivos. Caso exclui-los não resolva seu problema, volte e tente a outra opção depois de ter feito um backup completo.

Limpar totalmente o seu hard drive antes de reinstalar o Windows 10 não é o foco deste guia, pois se trata de um processo arriscado que geralmente envolve softwares especializados. Sugerimos que você busque instruções online ou leve seu computador a um técnico para apagar e reinstalar o sistema para você. Não se esqueça de ter a chave do Windows em mãos!

4. Se o seu caso exigiu ir além do uso de um software de varredura para eliminar o malware, é provável que você tenha tido tempo para pensar sobre como atenuar o estrago causado pelo ataque. Se não, comece a agir para contê-lo. Troque as senhas de todas as suas contas online, contate seus amigos e sua família para notificá-los de que eles podem estar em risco, e ligue para o seu banco para se certificar de que não houve nenhuma transação suspeita. As pistas que o alertaram sobre a presença do malware poderão dar uma ideia do que fazer para minimizar os efeitos. Mesmo depois que o problema tenha sido resolvido, permaneça atento. O agressor ainda pode ter seus dados e tentar fazer algo com eles.

Como remover malware do Mac

Assim como o iPhone, o Mac é razoavelmente seguro e não contrai malware com frequência. No entanto, isso pode acontecer. Ele costuma vir escondido em aplicativos e extensões de navegador desonestas a respeito do que fazem ou no mesmo pacote de outro software que você confiou. Por isso vale a pena explorar essas possibilidades antes de seguir com as medidas mais sérias contra o malware.

1. Para começar, é uma boa ideia desligar o seu Mac assim que você reconhecer os sintomas do ataque. Use outro dispositivo para pesquisar se outros usuários tiveram o mesmo problema. Uma vez que um malware no Mac é relativamente raro, há grande probabilidade de que haja informação disponível a respeito do problema que você encontrou e como resolvê-lo.

2. Inicialize o Mac em modo de segurança, o que fará com o que o computador rode com as configurações básicas, prevenindo que apps de terceiros, nocivos ou não, sejam executados automaticamente. Caso o problema tenha desaparecido, pode ser que nem tenha havido malware ou que o modo de segurança tenha evitado sua execução. Siga essas instruções para ativar o modo de segurança no seu Mac.

3. Agora que você está de volta, delete quaisquer apps suspeitos. Procure por aqueles que você baixou recentemente ou cujo surgimento coincide com os sintomas do malware. Nem todo app irreconhecível é mal-intencionado, mas vale a pena pesquisar os nomes online se você não tiver certeza. Às vezes, apps confiáveis podem ser os culpados. Se o desenvolvedor tiver sido hackeado, pode ser que o malware seja distribuído sem o seu conhecimento.

4. Caso você não tenha encontrado nenhum app suspeito ou se nada mudou quando eles foram removidos, não entre em pânico. O problema pode estar em uma extensão de navegador que pode ser excluída através da janela do navegador. As instruções para esse passo podem variar dependendo do navegador usado, então tente encontrar as instruções adequadas online.

5. Se nenhuma dessas medidas funcionar, será a hora de tentar algo mais complexo. Felizmente, a Apple armazena grande parte dos dados de seus usuários na nuvem, portanto restaurar o seu computador às configurações de fábrica não será difícil. Faça o backup dos arquivos importantes que não estejam armazenados na nuvem e siga as instruções da Apple para uma restauração de fábrica completa. Uma combinação dessas medidas removerá qualquer malware que tenha conseguido entrar no seu computador. Do contrário, será melhor levá-lo a uma assistência técnica autorizada!

6. A etapa final é garantir que você está seguro contra possíveis consequência do ataque. O app ter sido eliminado não significa que o hacker não tenha usado ou recebido seus dados. Troque suas senhas nas contas online que tiver, começando pelas mais confidenciais. Entre em contato com o seu banco para checar possíveis transações suspeitas. Considere a possibilidade de notificá-los sobre o ataque para que monitorem sua conta mais de perto. Verifique se mensagens suspeitas foram enviadas aos seus amigos e, caso necessário, explique a situação. Use o bom senso para saber o que fazer.

Como se manter protegido

Esperamos que esses passos o ajudem a eliminar o malware, independentemente de qual dispositivo foi infectado. Agora que você já limpou seu dispositivo e lidou com as consequências, é hora de examinar como você foi infectado para começo de conversa, e o que você pode fazer para evitar que essa dor de cabeça aconteça novamente!

Obtenha software antimalware/antivírus: Uma das defesas mais abrangentes contra códigos maliciosos é um bom software de segurança. Como sempre, ferramentas premium são o melhor caminho a seguir. Os melhores pacotes de softwares são criados por equipes de desenvolvedores que monitoram as mais recentes ameaças e respondem com atualizações com agilidade. A ferramenta ideal irá escanear quaisquer arquivos que você baixar ou apps que queira instalar com funções danosas avisando antes que você siga em frente. Você também pode executar varreduras periódicas para garantir que nada passou pelos filtros iniciais.

Torne-se um usuário de internet atento: Aprenda a reconhecer os sintomas do malware e os locais sombrios da internet que os distribuem. Nunca clique em pop-ups e tenha cuidado ao clicar em botões falsos com o “X” para fechar! Use uma extensão de navegador como a uBlock Origin (que é gratuita e aberta) para bloquear anúncios maliciosos. Passe o mouse ou clique com o botão direito nos links para ver com antecedência a onde eles levam. Fique sempre de olho na URL enquanto navega, pois até mesmo os sites mais confiáveis podem ser hackeados. Os agressores redirecionam os usuários a URLs que parecem iguais, mas aí já será tarde demais. Alguns malwares injetam anúncios e hyperlinks no texto do site, mas esses não se parecem com os links e os anúncios que você está acostumado a ver. Se puder perceber as diferenças, você saberá se está em um site suspeito ou algo ainda mais danoso.

Proteja o seu tráfego online: As VPNs são mais do que apenas ferramentas para privacidade. A encriptação proporcionada por uma VPN fechará inúmeras vias de infiltração para hackers em potencial e seus malwares. Com a NordVPN, você também terá acesso ao CyberSec, uma função integrada que alerta sobre sites mal-intencionados antes que eles tenham a chance de entregar payloads. Com a NordVPN, você pode proteger até seis dispositivos por conta, garantindo tanto o seu Android como o seu iPhone também!

Faça backup dos seus arquivos: Para dizer a verdade, fazer o backup de seus arquivos com frequência não evitará a contração de malware, mas fará com que os ataques sejam mais fáceis de lidar. As restaurações de dispositivo são uma maneira quase garantida de remover todo tipo de malware, mas são difíceis de serem realizadas se você tiver arquivos importantes que não podem ser deletados. Com backups frequentes, isso não será problema.

Faça a sua lição de casa: Antes de baixar um app, leia avaliações sobre ele online, certificando-se de que haja pelo menos uma opinião negativa. O que os usuários dizem? Eles reclamam do desempenho e das funcionalidades ou há questões mais sérias em jogo? Alguém acusou o app de ser malware? Foi um caso isolado ou é uma reclamação comum? Leia também sobre as vulnerabilidades mais graves do seu dispositivo ou sistema operacional. Quanto mais as conhecer, mais fácil será evitá-las.

Mantenha seu software atualizado: Da próxima vez que um app de confiança ou até mesmo o seu sistema operacional solicitar que você confirme uma atualização, não se apresse em cancelá-la ou adiá-la. Além de proporcionar melhorias no desempenho, as atualizações costumam corrigir vulnerabilidades de segurança que os desenvolvedores encontraram no software. Elas podem ser medidas preventivas ou respostas a um bug global. Em ambos os casos, é melhor atualizar o seu software assim que a atualização for disponibilizada.

Troque suas senhas e as mantenha em segurança: Aprenda a criar uma senha segura que você irá lembrar. Quando descobrir malware em seu dispositivo, as primeiras coisas a fazer são eliminar o malware e alterar suas senhas. Mesmo que o malware tenha sido deletado, o hacker que o espalhou pode ainda estar de posse da sua senha, mas ela será inútil assim que for alterada.

Aprenda tudo sobre o seu dispositivo: Quer seja um smartphone ou um PC, seu dispositivo possui muitas configurações embutidas que podem torná-lo mais seguro. Explore todas elas e descubra como elas podem alterar seu ambiente de segurança. Tanto smartphones Android como iOS podem restringir apps que não se encontram na seleção oficial de suas app stores. Certifique-se de que essas restrições estejam habilitadas! Os PCs Windows 10 vêm com um firewall e um scanner consideravelmente poderosos. Verifique se eles estão ativos e rodando com a configuração mais forte possível.


Daniel Markuson
Daniel Markuson successVerified author

Daniel is a digital privacy enthusiast and an internet security expert. As the blog editor at NordVPN, Daniel is generous with spreading news, stories, and tips through the power of a well-written word.


Subscribe to NordVPN blog